Livro: Coaching – A Hora da Virada

Neste livro, o leitor terá acesso as cases e ferramentas incríveis para realizar uma verdadeira guinada na própria vida.

“Coaching com Psicodrama
No processo de coaching, uma das técnicas utilizadas é o role play, ferramenta do psicodrama que é um motivador para empatia em grupo e/ou individual. Porquê preciso ter empatia com o outro? Por que as pessoas devem ter empatia comigo? Em quais papéis atuo na vida e como o outro pode me ajudar?”

Rosana Mazzon

Confira alguns dos temas abordados por nossos especialistas:

• Como planejar uma carreira com mais liberdade e realização?

• Gestão do tempo e produtividade: Compromisso com a vida.

• Mediação sistêmica: inteligência sistêmica aplicada à mediação.

• DISC como ferramenta de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal.

• Coaching empresarial: Transformação das pessoas no ambiente de trabalho.

• Liderança coaching.

Se deseja realizar a compra, click aqui!

Livro Emagreça sem segredo

Livro Emagreça Sem Segredo

“Emagreça sem segredos” desmistifica “regras nutricionais”

O livro é produzido por coautores que são coaches.

A proposta é levar o leitor a uma reflexão sobre os próprios hábitos e promover o entendimento sobre como o organismo humano funciona. Após a leitura, percebe-se a importância de uma alimentação balanceada e saudável.
Os artigos de cada capítulo ressaltam que não se deve adotar dietas restritivas, mas promover uma reeducação alimentar que proporcionará uma mudança de mentalidade e efeitos duradouros. Os coaches trazem sua expertise para que os leitores se aprofundem sobre calorias, proteínas, carboidratos e leguminosas – saindo do conhecimento superficial. Ao entender seus efeitos no corpo, é mais fácil se manter fiel à boa alimentação, tendo como resultado uma melhor qualidade de vida.

Se deseja comprar este livro, click aqui!

Transtornos Alimentares

Os transtornos alimentares resultam da obsessão para obter um corpo perfeito, pelo medo exagerado de engordar e seus pensamentos giram constantemente em torno dos alimentos que comem. Ocorrem porque a idéia de magreza está associada ao prestígio, beleza ou aceitação social.Geralmente surge na adolescência e as mulheres são as que mais sofrem pois se comparam as modelos de passarelas e revistas.

Anorexia é a perda de peso exagerado através de dietas severas e uma grande distorção na imagem corporal. O medo de engordar e sua auto percepção ao se vê gorda, a faz se privar cada vez mais de determinados alimentos. Ocorre a desnutrição e os órgãos param de funcionar e este quadro poderá ir a óbito se não houver uma equipe multidisciplinar acompanhado tal transtorno.

Bulimia – Episódios de descontrole, onde há uma urgência de comer em grande quantidade seguida por arrependimento e utilização de métodos compensatórios, como o vômito forçado ou a ingestão de remédios. O acometido passa a ter déficits vitamínicos por não deixar nenhuma comida em seu corpo além de ter sangramento devido ao vômito constante.

TCAP– Transtorno de a Compulsão Alimentar Periódica são episódios de compulsão alimentar nos quais a pessoa ingere grandes quantidades de alimentos, geralmente parando só quando há sensação de desconforto corporal por estar abarrotado. Diferente da bulimia, nesse transtorno a pessoa não usa métodos compensatórios, deixando-a obesa e trazendo sérios riscos à saúde.

TOC – Transtorno Obsessivo compulsivos por alimentos são pensamentos involuntários e recorrente e o ritual para se livrar deste pensamentos,idéias ou imagens e diminuir a ansiedade é comer sendo uma forma disfuncional de neutralizar as obsessões.

Transtorno de Ruminação

 É a remastigação ou regurgitação do alimento de forma repetida e ocorre na primeira infância. Essa condição é psicológica quando não pode ser explicada por nenhuma condição médica. As conseqüências podem ser desidratação, desnutrição, perda excessiva de peso e, em casos graves pode levar a óbito,

Vigorexia é um transtorno caracterizado pela insatisfação constante com a forma, força e vigor do corpo, levando a prática exaustiva de exercícios físicos, dietas radicais e uso abusivo de esteróides anabolizantes e outras drogas. Mostra-se um transtorno grave que pede atenção, pois pode ter sérias conseqüências à saúde.

Hipergafia -Comportamento compensatório de comer excessivamente. Um trauma faz com que o indivíduo tenha um episódio de compulsão alimentar extremo, como que para aliviar a dor do trauma. Porém isso a razão pelo aumento repentino de peso, influenciando na auto-imagem, auto-estima, autoconfiança e, claro, na saúde do acometido.

Ortorexia – É uma fixação pela qualidade dos alimentos ingeridos e pureza da dieta. Na Ortorexia Nervosa, consome-se exclusivamente alimento que venha de agricultura ecológica, livre de qualquer “alteração”, como componentes transgênicos, artificiais, pesticidas, herbicidas, corantes, açúcar, sal e etc. Muitas vezes até a forma de preparar o alimento e as ferramentas utilizadas são alvos de excessiva preocupação. É perigoso pois pode levar o indivíduo a grandes jejuns quando fora de casa e um sério isolamento social devido a práticas muito rigorosas.

Sindrome do Gourmet – Pessoas que sofrem dessa síndrome vivem preocupadas com a preparação, compra, apresentação e ingestão de pratos especiais, diferentes e e/ou exóticos. Causa afastamento, isolamento social e dependendo da alimentação escolhida pode causar déficit vitamínico.

Síndrome de PICA é o impulso de se alimentar de coisas não nutritivas ou que não são socialmente aceitas em sua cultura. Esse transtorno pode causar déficits vitamínicos além de poder causar uma intoxicação ou haver necessidade de cirurgia para limpar os órgãos internos. Os riscos são altos.

Síndrome de Prader-Willi – Mais comum em crianças, é a necessidade involuntária de comer constantemente. Faz com que, mesmo sem perceber, sempre esteja com algo na boca, mastigando. Acarreta problemas de saúde, obesidade e cardíacos.

Transtorno de Alimentar Noturno – Comportamento alimentar excessivo durante a noite, mesmo em estado de sonambulismo. Costumam ser pessoas que fazem algum tipo de regime alimentar em sua rotina. Além dos prejuízos alimentares, há também uma preocupação com o estado psicológico do paciente, que começa a sentir que perdeu o controle de si mesmo.

Permarexia – Distúrbio do comportamento alimentar que consiste numa preocupação obsessiva com o valor calórico dos alimentos, o que leva a pessoa a fazer permanentemente dieta sem acompanhamento médico.

Drunkorexia: Alcoolismo e Anorexia

A drunkorexia é um transtorno alimentar que combina dois riscos para a saúde: anorexia e o alcoolismo. A denominação provém do termo inglês drunk (embriaguez) e do sufixo orexia (apetite).Basicamente, a drunkorexia é não comer ou realizar ações purgatórias para compensar as calorias ingeridas pelo consumo de bebidas alcoólicas e assim evitar o ganho de peso causado pelo álcool. Esse transtorno ocorre principalmente em mulheres jovens, que justamente são as que mais se preocupam em emagrecer. (Ainda não reconhecida pela OMS

Transtornos alimentares são quadros graves? Tem cura? Sim, são transtornos sérios, crônicos, que comprometem uma série de aspectos da vida do paciente, trazendo várias conseqüências à saúde e podendo até levar ao óbito em casos mais sérios (a anorexia é a doença psiquiátrica com a mais alta mortalidade).

Estes transtornos exigem tratamento com uma equipe multiprofissional e em estágios mais avançados pode ser necessária uma internação prolongada, onde a pessoa reaprenda a comer, seja medicado de acordo com a avaliação psiquiátrica; mas são quadros tratáveis e que podem ter recuperação total. O tratamento destes quadros é, em geral, de longo prazo.

Orientação Vocacional

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.22″][et_pb_row _builder_version=”3.25″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat” hover_enabled=”0″]

Criada por Rodolfo Bohoslavsky , orientação vocacional são os procedimentos dos psicólogos especializados, cujos clientes são as pessoas que enfrentam, em determinado momento da vida em geral, a passagem de um ciclo educativo para outro, a possibilidade de tomar decisão.

Isto faz da escolha um momento crítico de mudança na vida dos indivíduos.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Terapia Cognitiva

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”4.4.3″ custom_padding=”0px||0px|||”][et_pb_row _builder_version=”4.4.3″ hover_enabled=”0″ custom_padding=”0px||0px|||”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”4.4.3″][et_pb_image src=”https://cdn.guiase.net/wp-content/uploads/sites/1592/2020/05/LABYRINTHOS.jpg” _builder_version=”4.4.3″ hover_enabled=”0″ custom_padding=”0px|||||” custom_margin=”-87px|||||”][/et_pb_image][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row _builder_version=”4.4.3″ custom_padding=”||18px|||”][et_pb_column _builder_version=”4.4.3″ type=”4_4″][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ hover_enabled=”0″]

Terapia Cognitiva

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ hover_enabled=”0″ custom_margin=”||-27px|||”]

A terapia cognitiva foi desenvolvida por Aaron T. Beck, no inicio da década de 60, como uma psicoterapia breve, estruturada, orientada ao presente, direcionada para resolver problemas atuais e a modificar os pensamentos e os comportamentos disfuncionais (que influencia o humor e o comportamento do individuo).

É uma abordagem para diversos transtornos emocionais e problemas das fases da vida (dificuldade de relacionamentos, divórcio, luto, doenças físicas e etc.).

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Psicodrama

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”4.4.3″ custom_padding=”0px||0px|||”][et_pb_row _builder_version=”4.4.3″ custom_padding=”0px||0px|||”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”4.4.3″][et_pb_image src=”https://cdn.guiase.net/wp-content/uploads/sites/1592/2020/05/business-teamwork-join-hands-together-business-teamwork-concept_1150-18.jpg” force_fullwidth=”on” _builder_version=”4.4.3″ module_alignment=”center” custom_margin=”-86px|||||” custom_padding=”||0px|||”][/et_pb_image][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row _builder_version=”4.4.3″ custom_margin=”|auto|-4px|auto||” custom_padding=”||4px|||”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”4.4.3″][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

Psicodrama

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ hover_enabled=”0″ header_2_font=”|300|||||||” header_font_size=”41px” header_letter_spacing=”3px”]

O Psicodrama foi criado pelo médico romeno Jacob Levy Moreno.

Ele acreditava que a espontaneidade era a verdadeira centelha divina presente em cada um de nós. Psicodrama permite ao paciente reviver situações e a sua relação com o mundo através do jogo dramático e do teatro.

A psicoterapia psicodramática, então, utiliza-se dos elementos do jogo e do teatro a fim de que o paciente consiga viver ou reviver situações passadas, presentes ou futuras, ressignificando suas experiências.

O psicodrama é, pois, uma oportunidade de “experimenta-ação”, que convida o paciente a mergulhar, não só em sua própria vida, mas nas suas relações com as pessoas e com o mundo.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Autosabotador

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”4.4.3″ custom_padding=”0px||0px|||”][et_pb_row _builder_version=”4.4.3″ custom_padding=”0px|||||”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”4.4.3″][et_pb_image src=”https://cdn.guiase.net/wp-content/uploads/sites/1592/2020/05/erreur-xs-1.jpg” _builder_version=”4.4.3″ custom_padding=”0px|||||” custom_margin=”-87px|||||”][/et_pb_image][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row _builder_version=”4.4.3″ custom_padding=”||3px|||”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”4.4.3″][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

Autossabotadores

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

Experiências de abandono, caos, privação, repressão e até sufocamento por excesso de cuidados, entre outras, vividas principalmente na infância, geram padrões, crenças e hábitos. A autossabotagem surge da necessidade primitiva de sobrevivência (física e emocional), porém na vida adulta ela causa muitas interferências, seja nos relacionamentos ou na forma de agir e encarar a vida.

É importante observar os padrões e identificar os tipos de sabotadores internos que cada pessoa sustenta em si, pois a consciência é o primeiro passo para a neutralização de comportamentos prejudiciais.

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

AUTOSSABOTADOR CRÍTICO

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

O crítico é o principal sabotador e está presente em todas as pessoas. É o detector de defeitos, capaz de encontrar problemas em si, nos outros, nas condições e circunstâncias. Assim como os outros sabotadores, conta mentiras e se justifica pela necessidade de pressionar para que não haja acomodação, de punir para que não haja erro e de impulsionar para que os melhores resultados sejam alcançados. Sentimentos como medo, ansiedade, decepção, raiva, culpa e vergonha são comuns quando o crítico domina o ser. Os outros sabotadores a seguir, agem em conjunto com o crítico.

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

AUTOSSABOTADOR INSISTENTE

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

Faz com que o indivíduo cobre de si um padrão de qualidade inatingível. Entre as pessoas próximas é tido como “cricri” e perfeccionista. Sua busca obstinada por perfeição faz com que se sinta constantemente insatisfeito, causando angústia e frustração em si e nas outras pessoas com quem se relaciona.

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

AUTOSSABOTADOR PRESTATIVO

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

O sujeito excessivamente prestativo, que coloca as demandas dos outros em primeiro lugar e deixa de encarar as próprias necessidades (e todo o trabalho interno que elas podem dar) mantém em si o sabotador interno prestativo. Ele se desdobra para agradar a todos, porém existe uma expectativa de retribuição. Uma das motivações é a apreciação alheia, pois sua baixa autoestima é dependente de elogios, validações e reconhecimentos.

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

AUTOSSABOTADOR HIPER-REALIZADOR

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

O sabotador interno hiper-realizador faz com que o indivíduo seja extremamente preocupado com sua imagem. Esse tipo de pessoa persegue o sucesso exterior e tem sua posição, seus títulos e cargos como seus bens mais preciosos. Por baixo dessa imagem impecável, podem existir acontecimentos ou sentimentos desagradáveis com os quais a pessoa não quer lidar e as ações em torno da manutenção da imagem a ocupam e distraem dessas mazelas.

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

AUTOSSABOTADOR VÍTIMA

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

A dinâmica do autossabotador vítima é o ressentimento e o drama, o convívio com ele chega a ser desgastante. Ele faz com que o indivíduo acredite que é necessário sustentar a tristeza, a raiva e a apatia para ser considerado. Para tal, ele se fixa a situações nas quais se sentiu reprimido, criticado e maltratado e passa a revivê-las internamente, destacando esses fatos para si e para as outras pessoas que o cercam.

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

AUTOSSABOTADOR HIPER-RACIONAL

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

Quem carrega um sabotador interno hiper-racionaliza acredita que focar nas emoções é uma perda de tempo. Razão e conhecimento vêm em primeiro lugar na opinião desse indivíduo. Ele se irrita com pessoas sentimentais e causa mal-estar em outras por conta de uma certa arrogância e do ar de superioridade que apresenta. Essa racionalidade dominante serve apenas como um disfarce para as emoções profundas com as quais ele não quer lidar.

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

AUTOSSABOTADOR INQUIETO

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

A busca incessante por novos estímulos, associada a uma animação e agitação contínuas compõem o padrão da pessoa que tem um sabotador interno inquieto. Assim como outros sabotadores, o inquieto surge quando a pessoa não quer encarar fatos, sentimentos e emoções desagradáveis. Permanecer em estado de excitação é sua forma de fugir da reflexão.

Este tipo de pessoa não consegue viver com intensidade e presença, pois normalmente estará pensando na próxima atividade ou desdobrando a situação vivida mentalmente. Sensações como: “a vida é curta, preciso aproveitar”, ou “deve ter algo mais interessante para fazer”, são constantes para quem convive com esse sabotador

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

AUTOSSABOTADOR HIPER-VIGILANTE

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

Quem possui o autossabotador hiper-vigilante dominante vive ansioso e em estado de alerta, pois coloca seu foco constantemente nos riscos e nos perigos da vida. Costuma esperar pelo pior e tem muito medo de errar. Busca conforto seguindo procedimentos e se cercando de garantias. Dificilmente entra em contato com as situações, se apoiando em um intermediário, uma receita ou uma regra que possa seguir para se sentir mais seguro.

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

AUTOSSABOTADOR CONTROLADOR

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

A pessoa que quer controlar as ações e os resultados de todos ao seu redor e acredita que tem a melhor visão e estratégia para tudo é uma autossabotadora controladora. Os desafios são estimulantes para ela, mas é um problema quando as coisas não saem conforme planejou ou “ordenou”. A ansiedade, a urgência e a irritabilidade são sentimentos que a acompanham. Esse tipo de pessoa não consegue compreender quando os outros não querem seu direcionamento ou desejam experimentar outros caminhos e outras formas de realizar tarefas.

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″ header_2_font=”|700|||||||”]

AUTOSSABOTADOR ESQUIVO

[/et_pb_text][et_pb_text _builder_version=”4.4.3″]

Receber críticas, antagonizar, discutir relacionamento e praticar autoanálise são ações insuportáveis para algumas pessoas. O sabotador interno esquivo nasce do impulso de escapar das ações e situações descritas e desenvolve alguns meios para isso. Aparentemente são pessoas pacíficas, solícitas e sorridentes que têm dificuldade de se colocar, e até mesmo de negar algo que não desejam, por exemplo. Se comportando assim a pessoa pode gerar uma pressão interna, fazendo com que ela se manifeste de forma explosiva em algum momento, já que a serenidade é forjada.

Para lidar com estes sabotadores o processo de coaching é uma ferramenta eficaz e eficiente nos dias atuais. Com uma vida atribulada com tantas tarefas a cumprir, em poucas sessões  o Coach te ajudará a ter uma maior percepção de seu comportamento inconsciente que impede seu crescimento.

[/et_pb_text][et_pb_social_media_follow _builder_version=”4.4.3″][et_pb_social_media_follow_network social_network=”facebook” _builder_version=”4.4.3″ background_color=”#3b5998″ follow_button=”off” url_new_window=”on”]facebook[/et_pb_social_media_follow_network][et_pb_social_media_follow_network social_network=”instagram” _builder_version=”4.4.3″ background_color=”#ea2c59″ follow_button=”off” url_new_window=”on”]instagram[/et_pb_social_media_follow_network][/et_pb_social_media_follow][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]